A importância de investir na nossa velhice enquanto ainda somos jovens

Atividade física tende a prolongar a saúde das articulações, músculos e tendões

 

Revista – A partir de que idade devemos nos preocupar com a nossa saúde?
Dr. Huron – Na verdade, deveríamos nos preocupar com a nossa saúde desde o nascimento. O aleitamento materno, por exemplo, contribui para o desenvolvimento de um ser humano saudável, devendo ser administrado por um período considerado ideal de 2 anos.
Outro aspecto importante é a alimentação rica em carboidratos e gorduras, que alguns pais administram aos seus filhos desde cedo. Sabemos que as células de gordura tendem a se multiplicar em números, nos primeiros anos de vida. A partir de aproximadamente 6 anos de idade, elas já não se multiplicam mais aumentando somente em volume de gordura, dependendo do estímulo calórico. Sendo assim, se uma criança, que geneticamente já
nasceu com um número de células de gordura elevado, for exposta a uma dieta hipercalórica, nos primeiros anos de vida, terá uma tendência maior ao sobrepeso. A atividade física nos primeiros anos de vida, somada a manutenção do aleitamento materno por 2 anos e posteriormente, uma dieta balanceada, ajudam no crescimento saudável da criança, evitando assim doenças metabólicas e osteoarticulares na vida adulta.

 

Revista Auto Estima – O que é uma artrose?
Dr. Huron – A artrose é um desgaste ou degeneração articular, o que é representado hisitologicamente pela alteração e perda progressiva do tecido de cartilagem hialina que recobre ambos os lados de uma articulação. Existe a artrose fisiológica que acontece com o envelhecimento do ser humano. Ela começa a aparecer, por volta dos 50 anos e acomete geralmente as colunas lombar e cervical, joelhos e mãos.

Pode ser oligossintomatica (geralmente em pessoas que estão com o peso corporal na faixa ideal e em pessoas que praticam atividade física moderada de forma regular). Inclusive, já esta sendo provado cientificamente que a atividade física praticada de forma moderada e regular, aumenta a sobrevida das articulações. Outro ponto importante é que a artrose, no seu estágio inicial, tende a não doer. Na verdade ela a dor aparece quando há uma artrite (inflamação) articular causada desgaste cartilaginoso, chamada de osteoartrite, geralmente comum nos estágios mais avançados da artrose.
Existe também a artrose secundária, que pode ser causada após uma fratura intra-articular ou uma doença metabólica como GOTA. Ela pode aparecer também, numa faixa etária mais baixa (abaixo de 40 anos).

 

Revista Auto Estima – E como cuidar da artrose?
Dr. Huron – Em primeiro lugar, tentar sempre fazer a prevenção, investir na nossa velhice enquanto
ainda somos jovens. Podemos fazer isso tentando sempre manter o peso corporal dentro da faixa ideal, e fazendo atividade física de forma regular e balanceada. Uma coisa que
podemos ver, na nossa prática clínica diária, é que o paciente idoso que sempre teve o peso corporal dentro da faixa ideal, tende a sofrer menos com os efeitos da artrose quando comparamos com os pacientes, da mesma faixa etária, que sempre estiveram acima do peso ideal.
Em segundo lugar, podemos tratar a artrose com medicamentos que atuam tentando melhorar a saúde do resto de cartilagem hialina que ainda possa existir na articulação e consequentemente, diminuir os sintomas. O uso de anti-inflamatórios, nos casos de osteoartrite severa (com muita dor), lembrando sempre que os anti inflamatórios NÃO devem ser utilizados por períodos longos (mais de 10 dias), porque podem trazer complicações graves com o uso prolongado.
E por fim, nos casos de artrose severa, a realização do tratamento cirúrgico (uso de próteses articulares quando possível), osteotomias (para correção de deformidades ósseas que podem causar artrose secundária) e artrodese (“fusão” de uma articulação para tratar a dor) utilizada mais comumente na coluna, pés e punho.

 

Revista Auto Estima – Paciente que já operou o joelho pode fazer atividade física?
Dr. Huron – Antes de mais nada, devemos descobrir qual o procedimento cirúrgico foi realizado. Por exemplo, um paciente que teve uma lesão sintomática pequena do menisco e foi submetido a uma meniscectomia parcial, tem todas as condições de retornar à atividade física balanceada, sem exageros. Outro tipo lesão que geralmente permite o retorno à atividade
física são as reconstruções ligamentares bem sucedidas do joelho. No nosso país, por causa do futebol, cansamos de ver vários atletas que tiveram lesões ligamentares e foram submetidos a cirurgia de reconstrução, sendo capazes de retornar a jogar futebol, após um período de reabilitação pós cirurgia.
Mesmo as lesões mais graves (geralmente pacientes com artrose avançada de joelho) que foram submetidos à artroplastias (substituição da articulação do joelho por uma articulação artificial), são estimulados a fazer atividade física leve, como por exemplo natação, hidroginástica e caminhada leve, para manter o músculo quadriceps, ossos e tendões saudáveis e fortalecidos.

Costumo dizer para meus pacientes que movimento é qualidade vida. Geralmente, quanto mais nos movimentamos na adolescência e vida adulta, mais qualidade de vida teremos, principalmente com o avançar da idade. Aí, alguns pacientes falam assim: eu faço atividade física e sinto dor. Ai, eu respondo: ruim com a atividade física, pior sem ela!
Lembrando sempre que atividade física traz benefícios não só para o sistema músculo esquelético, como também para o sistema metabólico, cardíaco e respiratório.

 

Revista Auto Estima – Qual a diferença entre artrose e osteoporose?
Dr. Huron – Como eu disse anteriormente a artrose é um degeneração articular, que pode ser primária
(causada pela idade) ou secundária (causada por trauma articular ou uma doença metabólica).
A osteoporose é representada histologicamente pela perda de massa óssea. Isto é o osso começa a perder matriz óssea, ficando mais poroso e fraco, podendo assim, quebrar com mais facilidade. A osteoporose não causa dor, salvo quando temos fratura.
Ela pode ser “fisiológica”, aparecendo com a idade, principalmente em mulheres pós menopausa. O homem também tem osteoporose. Além da idade, alguns outros fatores como falta de atividade física , alimentação errada, cigarro e imobilização prolongada, também podem provocar osteoporose. Sendo assim, não adianta tratar a osteoporose somente com medicação específica e cálcio, como muita gente faz. Na minha opinião, para
tratá-la devemos fazer reposição hormonal (quando possível e seguindo orientação de um especialista), usar medicação específica + Cálcio (prescrita por um especialista), ter uma alimentação balanceada, evitar o cigarro e o uso exagerado de álcool e principalmente,
estimular o sistema músculo esquelético de preferência através de exercicios com carga (por exemplo musculação), lembrando que qualquer outra forma de atividade física é válida, até uma caminhada.

 

Revista Auto Estima – Resumindo, quais são os benefícios da atividade física em relação ao sistema músculo esquelético?

Dr. Huron –  A atividade física, quando iniciada na infância e mantida na vida adulta, tende a prolongar a
saúde das articulações, músculos e tendões, trazendo maior flexibilidade articular, resistência aos tendões e força aos músculos, mantendo também a resistência óssea por um tempo maior, mesmo após a queda dos hormônios sexuais, que começa a ocorrer a partir de 40 anos.
Sendo assim, a prática de atividade física, de uma forma geral, é benéfica em todas as idades trazendo benefícios para o sistema músculo-esquelético e para outras partes, como coração, pulmão e sistema metabólico.
Mas não esqueça, antes de começar qualquer atividade física, visite um médico, para uma avaliação.

Rolar para cima