Cida Garcia: da sala de aula para os palcos do mundo

Por Alexandre Trápaga

Mulher, negra, professora e diva. Assim pode ser considerada Maria Aparecida Garcia de Souza, ou simplesmente Cida Garcia, como vem sendo conhecida esse furacão de carisma e talento, que começa o dia nas salas de aula ensinando crianças e jovens e que a noite brilha nos palcos da vida encantando uma legião de novos fãs.

 

Aos 49 anos, Cida é uma artista, tanto na literatura quanto na música, que tem acompanhado a transformação de sua vida nos últimos anos quando decidiu aliar o prazer de dar aula e ensinar crianças, jovens e adultos que estejam dispostos a aprender com um sonho de criança de encantar plateias com sua possante voz, digna das grandes divas da música negra internacional.

 

Nascida em Itaperuna, Município do interior do Estado do Rio de Janeiro, Cida começou a cantar cedo, aos quatro anos de idade, na igreja quando acompanhava sua mãe e sua avó às missas. Ainda jovem, no Ensino Médio concluiu o Curso de Formação de Professores revelando uma tendência para o magistério que foi confirmada ao se formar em Letras – Língua Portuguesa e Literatura Brasileira.

 

Após prestar concursos público, Cida é servidora há 27 anos e trabalhou em diversas escolas, desde a pré-escola, Ensino Fundamental I e II, Ensino Médio, Educação para Jovens e Adultos, e Cursos Profissionalizantes. Atualmente, Cida trabalha no primeiro turno com turma de Fundamental I (4º ano) e no segundo turno, como agente de leitura no Estado. A fusão de sonhos começou a tomar forma na década de 90, quando começou a carreira na música na Banda Álibi.

 

Nos últimos anos, a rotina de shows tem se intensificado e a forma de conciliar o magistério com ensaios e shows é contar com a colaboração dos músicos. “O tempo de estudo e horários de ensaios são sempre agendados fora do nosso horário de trabalho, o que nos leva muitas vezes a exaustão. Porém, nossos sonhos e objetivos nos dão forças para seguirmos em frente”, explicou Cida.

 

A carreira de professora de Cida já está mais do que consolidada e a de cantora começa a alçar voos maiores. Como a vocação artística está decolando rapidamente, Cida cogita deixar a sala de aula para apostar no sonho da música, lembrando que cantar e lecionar são emoções bem distintas, mas que proporcionam imensa alegria! “Penso em parar porque a arte do canto requer muito estudo e tempo hábil para tal. Coisa que não consigo fazer de forma sistemática concomitantemente, tendo em vista minha extensa carga horária de trabalho”, garantiu.

 

Segundo Cida, essa é uma situação delicada porque as duas artes são prazerosas. “O magistério por conta do amor que os alunos têm por mim. Contribuir para o crescimento intelectual de uma criança para que no futuro ela seja uma pessoa de bem, consciente de seus direitos e deveres e um cidadão atuante na sociedade é simplesmente incrível! Já a música é uma coisa totalmente voltada para minha realização pessoal e vontade de ter meu talento reconhecido! Poder levar alegria ao público é mágico demais! Ver as pessoas dançando, se divertindo e se emocionando com minha arte é um sonho de criança que aos poucos está se realizando”, declarou.

JAZZ & BLUES – Cida Garcia foi uma das atrações do Rio das Ostras Jazz & Blues Festival, realizado entre os dias 12 e 15 de novembro. Sua apresentação foi considerada arrebatadora e ela foi comparada a um furacão no palco com um repertório recheado de jazz, blues e soul music, numa homenagem às grandes divas da música como Nina Simone, Etha James, Koko Taylor, Sade, Aretha Franklin, Adele e, em especial, Tina Turner, uma referência para a cantora, dentre muitas outras.

 

Para conhecer e acompanhar um pouco mais da carreira deste talento, o público pode acompanhar o seu trabalho nas redes sociais, pelo Instagram e Facebook porque ainda tem muita coisa boa vindo por aí. O furacão está passando e mostrando a potência de sua arte. Para quem não conhecia… o nome é Cida Garcia

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Rolar para cima