Jejum intermitente: Você sabe como funciona?

Método é utilizado por médicos e nutricionistas do mundo todo

 

Está se popularizando no Brasil a prática do jejum intermitente, também conhecido como restrição de energia intermitente, é um termo genérico para vários horários de refeição que alternam entre o jejum voluntário (ou redução da ingestão de calorias) e o não jejum durante um determinado período. Os métodos de jejum intermitente incluem jejum em dias alternados (ADF), jejum periódico e alimentação diária com restrição de tempo .  Em 2012, o médico Michael Mosley começou a difundir um tipo de jejum periódico conhecido como Dieta 5 por 2 com base na pesquisa de seu amigo, Dr. Valter Longo, e em seu livro mais vendido, a Dieta da Longevidade, que acabou muito utilizado no Reino Unido e na Austrália. Com esse método a pessoa se alimentava cindo dias e jejuava dois.

 

Hoje os métodos de jejum podem variar de acordo com o nutricionista. Seus efeitos podem ser semelhantes a uma dieta de restrição calórica e foi estudado no século 21 como uma prática para possivelmente reduzir o risco de doenças relacionadas à dieta, como a síndrome metabólica. Uma revisão de 2019 concluiu que o jejum intermitente pode ajudar com obesidade, resistência à insulina, dislipidemia , hipertensão e inflamação.

 

Nutricionista, Daniel LagoO Nutricionista Daniel Lago afirma indicar o jejum intermitente para suas pacientes.  “Eu gosto de utilizar janelas de jejum maiores entre 18 horas e 24 horas realizando assim uma ou duas refeições diárias.  Com isso o corpo mantém um ambiente hormonal propício para a utilização de gordura corporal estocada na maior parte do tempo” – afirma Lago. Ele esclarece que existe um hormônio responsável pela sua “queima” de gordura assim como o seu acúmulo. Quando existe “sobra” de energia proveniente da dieta, essa energia e estocada como gordura pelo hormônio que se chama insulina.

 

Durante o período de jejum, o nutricionista orienta que a pessoa não consuma nenhum alimento. Água, chá e café que são bebidas sem caloria podem ser consumidos normalmente no período.

 

Ele explica que o jejum intermitente não é uma dieta, mas uma estratégia da dieta. “Imagine que a pessoa tenha que consumir 2 mil calorias diárias, sendo a sua porcentagem de macronutriente dividida de acordo com o seu objetivo, assim como orientado pelo seu nutricionista,  terá um período que foi estipulado como “hora de comer” para ingerir as calorias, macros e micronutrientes compostos na dieta prescrita” – explica.

 

“O jejum me ajuda a manter por mais tempo um plano alimentar, encaixa melhor na minha rotina e evitar a preocupação com a minha alimentação diária durante o expediente.  Foi a estratégia dietética que mais se encaixou na minha rotina e me possibilita manter meu peso corporal e otimizar meu tempo durante o dia” – comentou Daniela Marques que utiliza o jejum intermitente e está satisfeita com os resultados. 

Rolar para cima